publicidade

Hacker que vazou dados de 223 milhões de pessoas é preso no interior baiano

Na última terça-feira (9), em Feira de Santana, cidade situada a 100 km de Salvador, foi preso um homem apontado como suspeito do maior vazamento de dados na internet brasileira. Segundo a Polícia Federal, o indivíduo é investigado por divulgar e comercializar informações privadas de 223 milhões de pessoas.

O suspeito foi identificado como Marcos Roberto Correia da Silva, de 24 anos, conhecido no ambiente virtual pelo pseudônimo “VandaTheGod”.

O vazamento ocorreu em 2021, e naquela ocasião, ele foi detido em Uberlândia, no interior de Minas Gerais, durante a Operação Deepwater, realizada pela Polícia Federal. As investigações apontaram que o suspeito obteve ilegalmente e disponibilizou para venda na internet uma série de informações, incluindo:

  • Dados básicos relacionados ao CPF, como nome, data de nascimento e endereço;
  • Endereços;
  • Fotos de rosto;
  • Score de crédito, renda, informações financeiras como cheques sem fundo, além de outros dados financeiros;
  • Declarações de Imposto de Renda de pessoas físicas;
  • Dados cadastrais de serviços de telefonia;
  • Histórico educacional;
  • Benefícios do INSS;
  • Informações sobre servidores públicos;
  • Dados do LinkedIn.

Em 2021, o suspeito estava em prisão domiciliar com o uso de tornozeleira eletrônica. Entretanto, em 2023, tornou-se foragido da Justiça após remover o dispositivo de monitoramento.

Além da divulgação dos dados de milhões de brasileiros, o suspeito estava sob investigação por outros crimes cibernéticos e já havia sido detido em 2019, durante a Operação Defaced, por suspeita de invadir sites de órgãos públicos.

  • Ele é suspeito de invadir os seguintes sites e sistemas:
  • Site do Exército Brasileiro (2019);
  • Site da Polícia Civil de Minas Gerais (2019);
  • Site do Ministério Público de Minas Gerais (2019);
  • Site do Tribunal de Justiça de Goiás (2019);
  • Sistema do Senado Federal (2020);
  • Sistema do Supremo Tribunal Eleitoral (2020).

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

Mais notícias

publicidade