publicidade

‘Sentimos como se fosse com a gente’, diz presidente da AGT sobre morte de taxista

O assassinato do taxista José Carlos dos Santos Júnior, 40 anos, repercutiu de imediato na categoria. Ele tinha cerca de dez anos na profissão, foi roubado há cerca de 15 dias e estava planejando deixar Salvador por conta da violência. Na quinta-feira (30), ele estava com um passageiro, no bairro da Cidade Nova, quando foi baleado. Morreu antes de receber os primeiros socorros. O presidente da Associação Geral dos Taxistas (AGT), Dênis Paim, disse que o caso é revoltante.

“A nossa sensação é de incapacidade. Quando uma coisa assim acontece a gente sente como se fosse com a gente, porque essa é a nossa rotina. Estamos nas ruas todos os dias pegando passageiros que a gente não sabe quem são, se estão armados ou qual a intenção. São cinco taxistas assaltados por dia na cidade. E não tem mais isso de ser bairro perigoso, toda a cidade está entregue”, desabafou. Os números são da AGT, mas não há dados oficiais fornecidos pela polícia sobre o número de taxistas assaltados na capital baiana diariamente.

Segundo levantamento da AGT, 217 taxistas foram assaltados em Salvador nesses cinco primeiros meses. São 16 carros roubados e apenas três recuperados pela polícia. Salvador tem 7.296 taxistas em atividade.

Diante dos números, Dênis cobra uma delegacia ou núcleo especializado no atendimento da categoria e pede que as blitzes abordem os profissionais sempre que estiverem com passageiro. Ele cobra, ainda, ações mais efetivas da justiça para impedir que assaltantes sejam postos rapidamente em liberdade.

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

Mais notícias

publicidade