publicidade

Valença: um mês após morte do PM Wesley, manifestantes percorrem as ruas pedindo respostas

Manifestantes percorreram as ruas de Valença na manhã desta quarta-feira (28) pedindo respostas acerca da morte do PM Wesley Soares. Hoje completa um mês que o soldado foi alvejado por disparos do Bope após disparar contra colegas de farda que negociavam sua rendição no Farol da Barra, em Salvador.

Wesley Soares não era lotado em Salvador, mas em um batalhão da Polícia Militar em Itacaré, no litoral sul do Estado, a 250 km de Salvador. O comandante do Bope, major Clédson Conceição, afirmou que “buscamos, utilizando técnicas internacionais de negociação, impedir um confronto, mas o militar atacou as nossas equipes. Além de colocar em risco os militares, estávamos em uma área residencial, expondo também os moradores.”

A Procuradoria-Geral de Justiça (PGJ) do Ministério Público da Bahia (MP-BA) instituiu uma comissão para atuar no acompanhamento das investigações do Inquérito Policial Militar para apurar o caso.

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

Mais notícias

publicidade